domingo, 9 de maio de 2010

Os sonhos, os amores, os desejos e as idéias
se desfazem como um nó mal dado.
Como um tempo em meio aos outros,
como tesão que acaba,
como leis mal escritas,
o tempo é o guardião de todas as coisas,
mas ele também sofre.
Os planos, os afetos, o dinheiro e a loucura,
não passam de más interpretações da vaidade,
da ternura e do aconchego,
não passam por serem maiores do que pensamos
na sua diminuta paciência.
Os ideais, as ilusões, as drogas e os casais
vão e vem semanalmente,
faz parte da linha conjuga do tempo,
que envolve toda nossa lucidez e nos cega,
e por vez nos leva ao portal d’aurora.
Nos carrega em seus braços como uma mãe,
docemente embala seu filho em uma rede de fio cru.
Como se os sonhos se elevassem por um segundo,
e então sim temos uma visão completa do que somos nós,
um nó.
O amor é a pura tradução da frouxura interna,
do desejo mal concebido,
dos sonhos mal feitos,
que por causa do efeito sem nó algum se faz.
Nó na corda, na garganta, no braço, no enlaço e no abraço,
nos beijos, nas línguas, sem nó não há laço.
Amor é laço e nó,
um conjunto de cordas ao ar,
que ao mesmo tempo em que liberta,
prende em um carinho tão celebre,
que após sentir o aperto do laço,
dizem os mais experientes,
que não se tem mais o desejo de fugir.
Aperta o peito, os lábios e as glândulas lacrimais,
aperta tudo de um jeito tão criança,
que se ri chorando,
e se chora com sorriso,
por mais que interno,
o sorriso terno é tatuado no peito
e enlaçado na carne.
O peso de se levar tatuado no peito o sorriso
é esmagador diante de toda a imensidão,
é como carregar as medalhas de um apaixonado,
que te iludem uma vitoria quase sem dó.
E então para degustar de todo o sabor de um nó,
o mesmo se entrelaça com os sonhos,
os amores,
os desejos,
as idéias,
os planos,
os afetos,
o dinheiro,
a loucura,
os ideais,
as ilusões,
as drogas
e os casais,
formando uma grade rede de fio cru,
onde são embalados os sonhos,
onde domem os amores,
onde todos os desejos descansam como filhos
depois de um banho de chuva,
onde brotam idéias
como se brotassem rosas,
e desses idéias surgem planos,
que planam em pleno afeto,
e o dinheiro é o alicerce de toda loucura,
e a loucura é tão louca que não se difere
dos ideais das ilusões causadas por drogas sentimentais
para que assim depois de toda filosofia
e analise minuciosa de nó,
o doce presenciar nos conta
que na rede não há nada mais que um casal
 com suas pernas em nó. 

3 comentários:

  1. esta BELO!

    (: a cada dia gosto mais e mais do que escreves

    LIndo de verdade mesmo.

    o nó que se dá quando se ama e os dois se confundem com um só. *-*

    ResponderExcluir
  2. Blz!?
    peguei seu link nos sites da Olivia e da Felicidade, adorei o blog.
    Estamos procurando por doaçoes (nao dinheiro) de ideias, textos e comentários. Esperamos poder contar com vc.
    pessoas inteligentes sao sempre bem vindas, venha se acidificar conosco.
    Sarcástica

    ResponderExcluir